Até hoje.

| 01/08/2011

Até quando isso vai ser assim? Até quando eu vou continuar me importando com as mesmas besteiras de sempre? Ou a falta delas? Parece que isso prende mais do que afrouxa. Abrir a janela, pensar três vezes, respirar fundo e não dizer nada. Fechar e fingir que nada está acontecendo. E como dói fingir. A vontade que dá é dizer tudo na lata. Sem rodeios ou meias palavras. Sem ironias ou duplo sentido. Dizer e só. Deixar tudo isso que tá aqui engasgado saia de uma vez por todas. E se tiver de ferir, de machucar, de sangrar, que assim aconteça. Só não dá mais pra ficar com esse nó na garganta que parece que nunca vai se desfazer! Me sentir livre de fingimentos. Mas é, já fiz isso uma vez e não sei se deu muito certo. Me senti livre e ao mesmo tempo sem proteção. O escudo que me protege é a máscara de está-tudo-bem que eu coloquei no meu rosto. E, sabe, às vezes até eu me deixo enganar com essas máscaras. Acho que é bom assim. Vai que um dia funcione? ;)


"E cada vez que eu fujo eu me aproximo mais"
edit

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga

Um blog que mistura verdades, pesares e poesia ~

© Design 1/2 a px. · 2015 · Pattern Template by Simzu · © Content ~ Apesar do Pesar