Carta à um ex antigo amor

| 06/09/2015


Tô te escrevendo pra dizer que tô bem. Nunca achei que estaria e que te escreveria essas coisas. Mas hoje, depois de exatos  5 anos, posso dizer que eu estou totalmente livre de você. (E não, não descobri isso agora. Só agora resolvi "te" escrever.) Livre daquela algema que prendia meu braço no seu calcanhar, livre daquela insônia perdida nos meus sonhos ao teu lado, livre do teu cheiro que eu conseguia sentir em estranhos em qualquer lugar, livre de tudo de ruim que você deixou guardado em mim.
Faz tempo que eu queria te esquecer e quando eu tava quase lá, vinha você com seu perfume inconfundível, suas mãos pedindo carinho e um sorriso sem igual: me desarmava! E lá íamos nós outra vez. Sem culpa, sem pudor e, principalmente, sem amor. É, sem amor. Eu não te amava. Eu achava que amava, eu era dependente. Isso! Eu era dependente de você ou da tua atenção, ou sei lá do que. E eu achava que eu dependia de você pra ser feliz! Mas eu só queria aquilo. Ainda que por alguns segundos, minutos, horas.. Queria dias, meses, anos, casa na praia, férias em família com você do lado. Mas você não quis e me deixou sozinha, chorando minha solidão e dançando ao passo das nuvens. E você ia e vinha, levando e trazendo uma felicidade que eu achava que só teria ao teu lado. Uma felicidade que eu jamais achei que encontraria sozinha. Até que um dia, você abriu a algema. Sim, você. Você me libertou, mesmo sem saber. E você quem tinha que fazer, porque o que eu mais queria era ficar alí: deitada aos teus pés, mendigando atenção, me contentando com as migalhas de amor que caíam do teu prato, feito cachorro de rua. E doeu quando você desapareceu, porque eu pude sentir que você queria se livrar de mim. Sim, porque eu era um pé no saco. Mas quando você abriu as algemas e me soltou de vez, eu comecei a ver o mundo com outro olhos, mas ainda assim, não conseguia ver o meu mundo sem você. E lá de baixo eu via você: uma felicidade estampada no rosto com a nova namorada, planos pautados num futuro com outro alguém e nossos sonhos sendo vividos com uma outra pessoa. Lá de baixo eu via tudo aquilo e morria um pouquinho por dentro, era como se cada pedacinho que existia em mim fosse embora com você. E foi. Tudo de mim que era dependente do teu egoísmo, do teu ciúme escondido, da minha falta de liberdade, foi embora com você. Você me libertou e eu pude ver que eu precisava viver muito mais. E que, longe de você, eu poderia viver muito mais! Você me aprisionava, menino. Não via isso? E você tentou me aprisionar mesmo depois de dizer que não me queria mais. Isso é a prova do egoísmo que estava estampado na nossa relação.
Mas eu levantei. Demorou, confesso. Mas me ergui com minhas próprias pernas, com uma felicidade que eu mesma construí e sem a necessidade de ter tua mão pra segurar meus pulos. Foi devagar, eu sei, mas foi.
E depois de tantos anos, tantos outros, você volta. E você voltou. E quando você voltou, dizendo que nunca amaria ninguém como me amou, que ninguém jamais teria aquela parte bonita de você que eu tive, eu não senti nada. Quer dizer, senti pena e espanto. Me espantei pelo fato de meu coração não ter ficado apertado e nem com vontade de te ter de volta. Foi um susto, um baque, um lapso de loucura que você teve. E quanto mais você me fazia acreditar que jamais seria feliz com um outro alguém, eu tive pena de você. Porque ninguém pode tirar isso da gente. Pena por você não conseguir dar a sua parte bonita pra um outro alguém, porque alguém merece isso. Pena por você não se doar em um relacionamento pra amar alguém mais do que a outra que passou, que você deixou passar.
E por fim, senti um alívio muito grande por não sentir aquela vontade de te abraçar ao ouvir você dizer que me amava, como havia esperado por muito anos.

Eu te escrevo pra te agradecer por me libertar daquelas algemas que me prendiam a você. E pra te dizer que estou feliz. Estou vivendo comigo mesma e não acho que a felicidade está somente nos braços de um outro alguém. Viajei, conheci gente, amei uns, odiei outros e vivi experiências incríveis. E elas não seriam possíveis se eu tivesse com você do meu lado, se você não tivesse quebrado aquelas correntes. Obrigada. Talvez eu não estivesse onde estou agora, se eu não tivesse me largado de você! Obrigada!

Escrevi também pra dizer que torço pela sua felicidade, menino. Não te vejo mais, não tenho seu número, não tenho intenção nenhuma em manter contato contigo. Mas torço pra que tudo em sua vida seja bom e que você consiga amar alguém e deixar alguém te amar de volta.

Não cai nessa de que a gente só ama uma vez, não.


Com carinho,
seu ex antigo amor.
edit
Postagens mais recentes Postagens mais antigas

Um blog que mistura verdades, pesares e poesia ~

© Design 1/2 a px. · 2015 · Pattern Template by Simzu · © Content ~ Apesar do Pesar