close your eyes.



“Não há quem não feche os olhos ao comer, 
não há quem não feche os olhos ao cantar a música favorita,
não há quem não feche os olhos ao beijar, não há quem não feche os olhos ao abraçar.
Fechamos os olhos para garantir a memória da memória.
É ali que a vida entra e perdura, naquela escuridão mínima, no avesso das pálpebras.
Concentramo-nos para segurar a dispersão, para segurar a barca ao calor do remo.
O rosto é uma estrutura perfeita do silêncio. Os cílios se mexem como pedais da memória.
Experimenta-se uma vez mais aquilo que não era possível.
Viver é boiar, recordar é nadar. Escrevo na água, no vento da água.
O passado sem os olhos fechados é como uma roupa enrugada.
Sem corpo. Sem as folhas dos plátanos.”

Fabrício Carpinejar.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não se fazem mais amigos como antigamente!

Se não te faz sentir, não faz sentido.

Enche o copinho pra mim?